Tag

SBAIT na mídia

News

SBAIT na mídia: Alerta sobre a importância de prevenção de ferimentos traumáticos durante as férias.

Durante a época das férias de verão, a SBAIT alerta sobre os principais ferimentos traumáticos registrados nesse período. O objetivo é orientar as pessoas para que elas se previnam, com medidas simples, mas que podem reduzir os riscos tanto para crianças quanto para adultos.

Nessa época, as lesões por trauma mais comuns são afogamentos, traumatismo raquimedular por mergulho em águas rasas, ferimentos leves em crianças com objetos cortantes, ocorrências automobilísticas em estradas, quedas de motocicleta e ocorrências envolvendo ciclistas. Na maioria das vezes, é possível evitar as ocorrências com medidas simples de prevenção.

O Médico Diogo Garcia, membro da diretoria da SBAIT, concedeu entrevista sobre o assunto à TV Brasil. Confira:

 
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=OP25GTZRc7g&w=560&h=315]

News

SBAIT na mídia | Copa estimulou a formação de rede de médicos no WhatsApp

Um dos legados da Copa do Mundo para o Brasil é uma rede formada no WhatsApp comwhatsapp médicos especializados em acidentes com grande número de vítimas.

São Paulo – Uma rede de médicos especializados em acidentes com grande número de vítimas é um dos legados da Copa para o Brasil. Conectada por Whatsapp, ela vai continuar no ar mesmo após o fim do torneio.

A nova rede é formada por dois grupos no Whatsapp. Um deles reúne 25 médicos que trabalharam na Copa e trocaram fotos e informações sobre o atendimento dos atletas e de torcedores nas imediações dos estádios.

No outro grupo, 48 especialistas ficaram de stand-by para prestarem auxílio em qualquer ocorrência de grande porte que ocorresse durante o evento – o que, felizmente, não aconteceu.

“O WhatsApp é uma ferramenta útil porque permitir que o médico esteja atualizado sobre o que acontece e troque experiência com colegas”, afirmou o médico Gustavo Fraga em entrevista exclusiva para EXAME.com.

Surgimento

Fraga é presidente da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT). De fevereiro a maio, a entidade promoveu um curso à distância sobre atendimento a vítimas após grandes tragédias envolvendo médicos de todas as cidades-sede (com exceção de Belo Horizonte e Cuiabá).

O curso terminou dando origem aos grupos, formados apenas por profissionais filiados à SBAIT. “Depois do curso, médicos interessados no assunto criaram o grupo no WhatsApp para casos que exigissem grande mobilização”, afirmou Fraga.

Durante a Copa, a rede foi acionada em poucas ocasiões – como no último dia 3, quando um viaduto caiu em Belo Horizonte. Segundo Fraga, os membros dos grupos ficaram sabendo do acidente na hora e se prontificaram para ajudar com informações – o que não foi necessário devido ao número mínimo de acidentados.

Neymar

Outro momento de intensa troca de mensagens na rede foi durante o jogo entre Brasil e Colômbia, quando o jogador Neymar fraturou a coluna.

Naquela ocasião, as discussões foram além da questão do atendimento – já que uma enfermeira do hospital que recebeu o atleta filmou sua chegada e compartilhou com um grupo de amigos no Whatsapp, o que terminou resultando na sua demissão.

“Nosso grupo é regido pelos mesmos princípios éticos que a nossa profissão e isso inclui o compromisso de não divulgar as informações que circulam por ali. Trauma também é doença e as pessoas precisam entender isso”, afirma Fraga.

No próximo dia 30, integrantes da SBAIT vão se reunir para fazer um balanço sobre a nova iniciativa. Mas já está certo que ela será mantida daqui para frente. “Foi uma experiência muito boa. A grande vantagem do Whatsapp é que a informação chega muito mais rapidamente”, afirmou Fraga.

Confira link da notícia:

Portal Exame , 16/07/2014 – Copa estimulou a formação de rede de médicos no WhatsApp

News

SBAIT na Mídia: Acidentes com fogos de artifício devem aumentar na Copa

fogosSegundo os dados do Ministério da Saúde, no período entre 1996 e 2009, 122 pessoas morreram por conta de  acidentes envolvendo os tradicionais fogos de artifício. Do total de óbitos registrados, 41 ocorrem na região sudeste do país. Ainda segundo os dados do Ministério da Saúde, no mesmo período foram contabilizados 1.382 internações para tratamento de queimados vítimas dos  artefatos. A  atleta profissional, Eliete Malta, não tem boas lembranças, pois , por  pouco não fez parte desta triste lista.

Em Campinas, a venda  dos  fogos é proibida através de lei municipal , porém, não é raro encontrar rojões , bombinhas e outros produtos do gênero sendo comercializado, principalmente no comércio informal. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado , Gustavo Fraga,  que também é  cirurgião do trauma no HC da Unicamp, por  conta  da lei municipal a incidência não é tão alta em Campinas, mas,  neste  período do ano chega  a aumentar em média  30%. Em  sua  opinião , com  o advento da Copa do Mundo o índice deverá ser maior.

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros de Sumaré , Laércio Santana Junior,  a  prevenção  é sempre  o melhor  remédio. Já  a recomendação é  não  fazer  uso , porém  , diante do inevitável , o uso deve ser feito com  muita  cautela e principalmente evitar que a manipulação seja feita por  crianças. Paralelo as queimaduras propriamente ditas , os fogos de artificio podem provocar também lesões de cornea, perda da visão, problemas auditivos, cortes e até mesmo amputações.

No caso das queimaduras  a orientação do médico Gustavo Fraga, é nunca passar qualquer tipo de produto no ferimento , além de água limpa e corrente.  Em Campinas,  não  há  um hospital  específico para  o tratamento de  queimados. As  unidades mais  próximas são as de  Limeira  e  Jundiaí. Neste  caso, a medida é adotada pelas Secretarias Municipais de Saúde  através das centrais de vagas das unidades.

Confira entrevista na íntegra:

Acidentes com fogos de artifício devem aumentar na Copa ( Portal CBN Campinas, 10/06/14)

Fechar