Tag

Programa P.A.R.T.Y

News

Workshop explica a acadêmicos os passos para a implantação do P.A.R.T.Y. em suas cidades

Objetivo é ampliar o número dos núcleos do programa no Brasil

foto party 1

Integrantes do Programa P.A.R.T.Y. Campinas compartilhando sua experiência com o programa durante o workshop

Um workshop sobre o  P.A.R.T.Y.  (Prevenção do Risco de Trauma Relacionado ao Uso de Álcool na Juventude) Brasil explicou a acadêmicos do XVII CoLT (Congresso Brasileiro das Ligas do Trauma) como funciona o programa e quais os procedimentos para implantá-lo em suas cidades.  O objetivo é despertar o interesse dos alunos para que o P.A.R.T.Y. seja levado para um número cada vez maior de universidades. Atualmente, ele funciona em cinco municípios: Ribeirão Preto (SP), Campinas (SP), Vitória (ES), Sorocaba (SP) e São Luís (MA).

party 2

Palestra recebeu grande número de Ligas interessadas na implantação do P.A.R.T.Y.

No Brasil, o P.A.R.T.Y. é coordenado pela SBAIT e executado por acadêmicos de Ligas do Trauma ou de Urgência. De origem canadense, sua primeira edição aconteceu em 1986. Em nosso País, chegou em 2008, em Ribeirão Preto, primeira cidade que desenvolveu o projeto. Ele é um programa preventivo, desenvolvido com adolescentes que ainda vão tirar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação). O objetivo é orientá-los sobre os riscos de ingerir bebida alcoólica e dirigir entre outros riscos no transito decorrentes de suas escolhas.

Os resultados são tão positivos que, no Canadá,  a participação no programa fica registrada na carteira de habilitação, o que permite monitorar sua eficiência. Estudos apontam que as pessoas que participam do P.A.R.T.Y. se envolvem menos em acidentes ao longo da vida.

Basicamente, o programa é feito em um único dia, por meio período. Os adolescentes vão até um auditório dentro da universidade/hospital  participante onde assistem a várias palestras, com Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, alunos da Liga do Trauma e órgãos locais de trânsito, além de palestras com sequelados de acidentes, que contam o impacto que uma paralisaria, por exemplo, teve em sua vida. Esses depoimentos costumam sensibilizar os estudantes sobre o tema. Na sequência, eles visitam a enfermaria do hospital, momento em têm contato com outras vítimas de trauma.

Para viabilizar o P.A.R.T.Y., são fechadas parcerias com órgãos que possam fornecer o transporte e o lanche dos adolescentes, além dos que serão responsáveis pelas palestras. Em Campinas, por exemplo, o programa é desenvolvido com as escolas públicas e o transporte é feito pela empresa municipal de trânsito. Não é permitido vincular o programa a algum benefício econômico, já que ele é sem fins lucrativos, e nem a empresas de bebida alcoólica, bares, etc.

O primeiro passo para implantar o P.A.R.T.Y. em uma cidade é procurar a regional mais próxima do CoBralt (Comitê Brasileiro das Ligas do Trauma) para agendar uma visita a um P.A.R.T.Y. que funciona no Brasil, momento em que será possível conhecer o programa na prática. É importante destacar que o programa só pode ser implantado por alunos que não são de ligas acadêmicas quando a cidade não tiver nenhuma Liga. Se a cidade tiver Liga do Trauma ou de Urgência, a implantação deverá ser feita através da Liga, que precisa ser filiada ao CoBralt.

Após conhecer um núcleo do programa, os interessados precisam enviar uma carta ao Comitê de Prevenção da SBAIT, com todas as informações de como será feita a implantação: local (hospital), parceiros (PM, Bombeiros, etc.), público-alto (alunos, de que idade, que tipo de escola), como será feito o transporte do público-alvo, se será servido lanche, se há auditório para receber os visitantes, qual a periodicidade, etc. Enfim, é necessário informar toda a estrutura para a implantação.

É importante destacar que todas as parcerias feitas, inclusive com os órgãos públicos, precisam estar devidamente documentadas para que o programa realmente aconteça sem falhas. Outra dica interessante é definir o papel de cada um dentro do processo, principalmente dos acadêmicos que vão desenvolver o projeto, e um calendário prévio de visitas, de preferência semestral, para que todos os envolvidos possam se programar com antecedência.

News

Evento sobre prevenção em Sorocaba (SP) reúne grande público

Joanne Party Sorocaba

Enf. Joanne Banfield, criadora do Programa P.A.R.T.Y.

Nos dias 7 e 8 de junho aconteceu em Sorocaba a Jornada SBAIT de Prevenção ao Trauma e o Simpósio Internacional do Programa P.A.R.T.Y.

Realizado pela SBAIT, PUC-SP, Prefeitura de Sorocaba e organização da Liga de Emergência e Trauma de Sorocaba (LETS), o evento reuniu palestrantes nacionais e internacionais na área, como  Gustavo Pereira Fraga (Presidente da SBAIT),  José Mauro da Silva Rodrigues (Vice-Presidente da SBAIT / Coordenador da Disciplina de Cirurgia Geral e do Trauma da PUC-SP), Ana Helena Parra (introduziu o P.A.R.T.Y. no Brasil), Joanne Banfield (criadora do P.A.R.T.Y. no Canadá), Simone V. Abib (Cirurgiã Pediátrica – UNIFESP), Jorge C.M. Curi (Cirurgião da UNICAMP e Vice Presidente da Associação Médica Brasileira)

publico Party Sorocaba

A Jornada SBAIT de prevenção ao Trauma e o Simpósio Internacional do Programa P.A.R.T.Y. reuniu grande público em Sorocaba ( SP)

Com mais de 200 inscritos, incluindo alunos de outras cidades e estados do Brasil, profissionais da saúde de atendimento pré e intra-hospitalar, autoridades de trânsito e de governo, debateu-se a importância da prevenção ao trauma, principalmente entre os jovens que, atualmente, são as principais vítimas da embriaguez no trânsito. Além de, no sábado (8), ser discutido o programa Criança Segura, visando promover a prevenção de acidentes com crianças, diminuindo mortes e sequelas.

Na visão dos organizadores, o evento foi um sucesso “conseguimos despertar a curiosidade dos estudantes e o interesse pelos programas. Acreditamos que o P.A.R.T.Y. será mais um programa de sucesso em Sorocaba, em parceria com a URBES”, diz  Caio Augusto Perete – Diretor-Secretário da Liga de Emergência e Trauma de Sorocaba.

News

Criadora do Programa P.A.R.T.Y. conhece projetos da Concessionária Rota das Bandeiras

rota das bandeiras

Apresentação da concessionária Rota das Bandeiras

A Concessionária Rota das Bandeiras, responsável pela administração das rodovias que formam o Corredor Dom Pedro, recebeu na última quinta-feira, dia 06 de junho, a visita da enfermeira canadense Joanne Banfield, criadora do Programa P.A.R.T.Y. (Prevent Alcohol Risk-Related Trauma in Youth). Joanne veio conhecer os projetos de responsabilidade social da Concessionária e dar detalhes do Programa P.A.R.T.Y. em outros países. A visita foi acompanhada pela pediatra Ana Helena Parra, uma das responsáveis pela vinda do P.A.R.T.Y. para o Brasil e Gustavo Pereira Fraga, presidente da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT) e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Convidados visitam o Centro de Controle Operacional.

Convidados visitam o Centro de Controle Operacional

Da Rota, participaram do encontro o gestor de Responsabilidade Social, Adherbal Vieira, Rodrigo Barros de Carvalho, coordenador médico da Concessionária e Renata Macedo, integrante da equipe de responsabilidade social. A Concessionária é parceira do programa na cidade de Campinas e está apoiando o projeto P.A.R.T.Y. Brasil, que é uma iniciativa da SBAIT.

Sobre o Programa P.A.R.T.Y

P.A.R.T.Y. é um programa destinado aos jovens com o objetivo de prevenir eventos relacionados a Trauma. Teve sua origem em 1986, no Sunnybrook Health Sciences Centre, Canadá, sendo implantado primeiramente no Brasil em 2008, na cidade de Ribeirão Preto e em Campinas, em 2010.

A grande incidência de lesões e mortes relacionadas a Trauma ocorre com os jovens. Comportamentos de risco como excesso de velocidade, beber e dirigir, não usar cinto de segurança ou outro equipamento de proteção, mergulho em águas rasas e outros podem gerar trágicas consequência que podem ser prevenidas. O objetivo do Programa é a prevenção de lesões por meio da educação, a fim de diminuir o número de adolescentes mortos ou sequelados na comunidade. A educação sobre as consequências da escolha e identificação dos riscos pode mudar o comportamento.

News

Programa P.A.R.T.Y. é destaque de Conferência Internacional em Campinas

2013-06-06 11.44.40

A enfermeira Joanne Banfield, criadora do programa P.A.R.T.Y.

A enfermeira Joanne Banfield, criadora do Programa P.A.R.T.Y. (Prevent Alcohol Risk-Related Trauma in Youth), esteve nessa 5a feira, 06 de junho, em Campinas – SP, apresentando às equipes do Departamento de Ortopedia e Traumatologia e Disciplina de Cirurgia do Trauma da FCM- Unicamp, a Conferência “Trauma prevention programs in Canada”, com destaque para a implantação do Programa P.A.R.T.Y. no Canadá.

2013-06-07 11.33.00

Equipes do departamento de Ortopedia e Traumatologia e Disciplina de Cirurgia do Trauma da FCM- Unicamp, durante a Conferência

Nesta 6ª feira, 07 de junho, a Enf. Joanne estará presente na Jornada SBAIT de Prevenção ao Trauma e Simpósio Internacional do Programa P.A.R.T.Y., em Sorocaba, realizando a conferência de abertura do evento, que terá a participação da pediatra Ana Helena Parra e do professor Sandro Scarpelini, que trouxeram o programa para o Brasil em 2008. O evento em Sorocaba coincidirá com a implantação do programa P.A.R.T.Y. nesse município, o terceiro a sediar o programa, após Ribeirão Preto e Campinas.

Sobre o Programa P.A.R.T.Y

P.A.R.T.Y. é um programa destinado aos jovens com o objetivo de prevenir eventos relacionados a Trauma. Teve sua origem em 1986, no Sunnybrook Health Sciences Centre, Canadá, sendo implantado primeiramente no Brasil em 2008, na cidade de Ribeirão Preto e em Campinas, em 2010.

A grande incidência de lesões e mortes relacionadas a Trauma ocorre com os jovens. Comportamentos de risco como excesso de velocidade, beber e dirigir, não usar cinto de segurança ou outro equipamento de proteção, mergulho em águas rasas e outros podem gerar trágicas consequência que podem ser prevenidas. O objetivo do Programa é a prevenção de lesões por meio da educação, a fim de diminuir o número de adolescentes mortos ou sequelados na comunidade. A educação sobre as consequências da escolha e identificação dos riscos pode mudar o comportamento.

Fechar