Tag

Estudos

News

SAMU transporta 75% das vítimas graves do trânsito no país

Relatório da Organização Mundial de Saúde também destaca que o Brasil é um dos 116 países com telefone de emergência universalimagem relatorio onu

As ambulâncias do SAMU (Serviços de Atendimento Móvel de Urgência) transportam mais de 75% das vítimas seriamente feridas em acidentes de trânsito no país. O índice coloca o Brasil no mesmo patamar dos Estados Unidos, Espanha, França, Suécia, Suíça. As informações são do recém lançado Global Status Reporton Road Safety 2015, da Organização Mundial de Saúde (OMS). O documento registra, também, que o Brasil está entre os 116 que possuem um número de telefone universal e gratuito para chamados de emergência, em vez de múltiplos números.

A resposta pós-acidente, um dos cinco pilares do Plano Global para a Década de Ação para a Segurança no Trânsito 2011-2020, foi amplamente debatido no dia 17 de novembro, durante a “Jornada do Modelo Viário da Espanha”, evento realizado pela Embaixada do país ibérico no Instituto Cervantes de Brasília. O encontro reuniu representantes do setor público de diversos países e de organismos internacionais, como o Banco Mundial de Desenvolvimento e a Organização Mundial de Saúde. A Espanha é um dos cinco países do mundo com menores índices de vítimas fatais no trânsito.

A representante da Organização Mundial de Saúde, Teri Reynold, destacou que o atendimento pré-hospitalar adequado e o transporte rápido para uma unidade de saúde são essenciais para evitar óbitos no trânsito, visto que a maior parte das vítimas fatais de acidentes– 1,25 milhão por ano em todo o mundo – morre antes de chegar a um hospital. “Uma resposta organizada para o trauma pode salvar vidas e é fundamental para o sucesso da recuperação de um acidentado”, frisou.

O Brasil, de acordo com o Global Status Reporton Road Safety 2015, é também um dos 139 países com treinamento disponível em atendimentos de emergência para médicos e um dos 113 com esse tipo de treinamento para enfermeiros – perfilando-se, também neste item, entre as nações com as melhores práticas.

Investimento – Discar 192 para receber atendimento pré-hospitalar do SAMU é possível hoje para 154,9 milhões de brasileiros – um crescimento superior a 20% entre 2011 e 2014. O número de unidades móveis em todo o país, 3.340, cresceu nada menos que 42% no mesmo período. O gasto anual do Ministério da Saúde com o serviço – R$ 947,3 milhões registrados em 2014 -, foi R$ 515,3 milhões a mais que em 2011, um incremento de 119,2%.

O serviço funciona 24 horas com ambulâncias (entre unidades de suporte básico, suporte avançado, motolâncias, equipes de embarcação e aeromédicas) e equipes de profissionais de saúde compostas de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e condutores.

Além das ocorrências de ordem traumática, o serviço também está disponível para chamados de emergência em atendimento clínico, pediátrico, cirúrgico, ginecológico, obstétrico e de saúde mental da população.

As ambulâncias do SAMU 192 são dotadas de equipamentos para vias aéreas e acesso venoso, medicações, monitor cardíaco, desfibrilador e material para imobilização, como colar cervical e prancha longa.

Atualmente são 188 Centrais de Regulação para onde as chamadas, gratuitas, são direcionadas e onde um médico regulador faz a avaliação das solicitações de socorro a partir de perguntas-chave dirigidas ao solicitante.

 

Fonte:  Portal da Saúde ( 18/11/2015)

News

Novo índice da UNESCO mostra vulnerabilidade de jovens à violência no Brasil

A UNESCO divulgou nesta quinta-feira ( 7), o novo Índice de vulnerabilidade juvenil à 3f25278d5bviolência e desigualdade racial 2014 . O relatório é resultado de parceria entre a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) da Presidência da República, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Ministério da Justiça e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil. O objetivo do estudo é orientar políticas públicas de redução da violência contra jovens no país.

Os índices apresentados são mais alarmantes nos Estados do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Além dos homicídios, foram levados em conta as mortes no trânsito e acidentes de trabalho.

Para ter acesso ao relatório na íntegra, clique no link abaixo:

Índice de vulnerabilidade juvenil à violência e desigualdade racial 2014

Saiba mais:

Jornal Hoje – Portal G1 ( 7/05/15)

 

Fechar