Tag

Estatísticas

Estatisticas

Mortes de crianças e adolescentes de até 14 anos caem 1,93% no país

De 2016 a 2017, o número de mortes por acidentes de crianças e adolescentes de até 14 anos caiu 1,93% no Brasil,  de acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde. Essa foi a menor queda na mortalidade na infância e adolescência por acidentes observada desde 2011. 

Segundo o estudo, um dos motivos que fizeram a redução da quantidade geral de óbitos acidentais das crianças e adolescentes brasileiros ser pequena é que alguns tipos de acidentes apresentaram aumento significativo no número de casos fatais de 2016 para 2017, como os relacionados a:

  • disparo acidental de armas de fogo (+ 95%)
  • afogamentos (+4,49%)
  • queimaduras (+3,83%)
  • intoxicação (+6,76).

Por outro lado, houve redução nos casos de mortes acidentais de meninas e meninos até 14 anos no trânsito (-7,89%), sufocação (-5,93%) e quedas (-1,09%).

De modo geral, os acidentes que mais tiram vida de crianças e adolescentes no país são, respectivamente:

  • trânsito (1.190)
  • afogamento (954)
  • sufocação (777).

Em relação a faixas etárias específicas:

  • a sufocação é a principal causa de morte acidental de bebês de até um ano de idade
  • o afogamento é o acidente que mais tira vida de meninas e meninos de um a quatro anos
  • o trânsito é a causa mais fatal para as crianças e adolescentes de cinco a 14 anos.

Confira informações detalhadas no portal Criança Segura:

Mortes de crianças e adolescentes de até 14 anos caem 1,93% no país

News

Durante o Carnaval, campanhas pretendem reduzir números de ocorrências no trânsito

cartazes-voltados-para-prevencao-de-acidEstá chegando o Carnaval e com ele,  o alerta sobre a importância de um comportamento seguro no trânsito, nesse período em que aumenta-se os riscos tanto para condutores como para pedestres.

Segundo o balanço da Operação Rodovida (PRF), no Carnaval de 2015, houve uma redução no número de ocorrências registradas nas estradas brasileiras durante esse período de folia. Os índices de acidentes, mortos e feridos foram os menores registrados nos últimos oito anos durante o feriado de Carnaval nas rodovias federais, sendo 2.785 acidentes, 120 mortos e 1.786 feridos. O tipo de acidente que mais provocou mortes no carnaval 2015 foi a colisão frontal, causada, na maioria das vezes, pelas ultrapassagens mal realizadas.

Diante desses dados, mesmo com a redução, sempre é importante o alerta para motoristas dirigirem com prudência e atenção. A combinação álcool e direção , o celular ao volante , entre outras situações, podem fazer com que a folia termine antes da hora.

3-300x250

Uma das peças da Campanha do ONSV para o Carnaval 2016

Diversas campanhas de conscientização são realizadas nessa época, com  o propósito de alertar os motoristas para um comportamento seguro no trânsito, como a Campanha “Carnaval sem Traumas”, promovida pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), que distribui à população materiais orientativos de prevenção.

Com o slogan “Álcool no volante: uma dupla que não dá samba” o folheto lista ‘os mandamentos do folião nota 10’ que são: respeitar as normas de trânsito, os pedestres e demais motoristas, ficar atento ao volante, rever os itens de segurança antes de uma viagem, utilizar os equipamentos de proteção, como capacetes e cinto, transportar as crianças adequadamente no banco de trás, não ultrapassar os limites de velocidade e não dirigir depois de beber.

 O Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) também preparou várias dicas para os foliões aproveitarem com segurança o feriado. Confira aqui

 

 

 

 

News

Segundo relatório da OMS, trânsito brasileiro está entre os mais violentos do mundo

imagem relatorio onuA Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou em 19 de outubro o relatório Situação Global sobre Segurança Rodoviária 2015, que reflete informações sobre a mortalidade no trânsito em 180 países. Em todo o mundo, de acordo com o relatório, são registradas 1, 25 milhões de mortes por ano no trânsito, sendo as taxas de mortalidade mais elevadas  em países de baixa renda.

Segundo o relatório da OMS, cerca de 1,25 milhão de pessoas morrem no mundo em acidentes de trânsito. Entre as vítimas, 23% são motociclistas, 22% são pedestres e 4% são ciclistas.

Imagem1No Brasil, em dez anos a taxa de mortalidade nas vias passou de 18,7 para 23,4 para cada 100 mil habitantes, índice próximo ao registrado nos países africanos, considerado os mais letais no trânsito, com uma média de 26,6 vítimas para cada 100 mil habitantes.

O estudo destaca o Brasil como um dos países que mais leis de trânsito possui, mas não que não tem sido suficientes para inibir atos de imprudência. Recife é uma das cidades do país com o trânsito mais violento. De janeiro a setembro desse ano, foram registradas 28 mortes no trânsito, número maior que o registrado em todo o ano de 2014.

Em um ranking de 180 países, o Brasil aparece na 56ª posição. Nas Américas, o Brasil está atrás somente da República Dominicana e Belize.

O relatório apresenta a situação da segurança rodoviária a nível mundial, destacando as lacunas e as medidas necessárias para melhorias visando atingir a meta de reduzir para metade o número global de mortes e lesões causadas por acidentes de trânsito em 2020., de acordo com a Década de Ação pela Segurança no Trânsito.

A edição 11 do Trauma BoleTEAM da SBAIT também traz uma reflexão sobre esse tema em seu editorial, de autoria do vice-presidente da SBAIT, Dr José Mauro da Silva Rodrigues.

Saiba mais:

OMS: dos países mais populosos, Brasil é o que tem melhor legislação de trânsito ( Portal Agência Brasil, 19/10/2015)

Trânsito brasileiro está entre os mais violentos do mundo ( Bom dia Brasil, Portal G1, 22/10/2015)

News

Mais de 100 mil motoristas são multados por dirigir usando o celular

celular carro

Nos últimos 5 anos, 120 mil motoristas foram multados por usar o celular enquanto dirigiam nas BRs.

O uso do celular ao volante ainda é uma prática comum no dia a dia dos
motoristas pelo país.

Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), nos últimos 5 anos, 120
mil motoristas foram multados por usar o celular enquanto dirigiam nas
estradas brasileiras. Goiás é o estado com mais ocorrências, onde 16% dos
motoristas foram flagrados usando o celular ao volante.

Segundo Newton Morais, inspetor da PRF, a falta de atenção faz com que o
motorista se envolva em diversos tipos de acidentes como colisões traseiras
ou frontais.

Confira, no link abaixo, reportagem sobre o tema.

Mais de 100 mil motoristas são multados por dirigir usando o celular ( Bom Dia Brasil, 22/06/15)

News

Brasil reduz número de mortes no trânsito

images

Segundo estudo do ONSV, em 2013 houve uma redução de quase 6% de óbitos no trânsito brasileiro em comparação a 2012.

O  Portal da Saúde/DataSus divulgou em maio, dados referentes ao total de óbitos no país, incluindo todas as causas de mortes. O  Observatório Nacional de Segurança Viária, (ONSV), parceiro SBAIT, contabilizou os dados referentes ao trânsito e apresenta de forma inédita os números de 2013.

Segundo o estudo do ONSV,  houve redução de quase 6% em comparação a 2012. Foram 42.266 mortes em 2013 contra 44.812 em 2012.

Nos primeiros anos da Década de Ação para Segurança no Trânsito*, 2011 e 2012, houve um aumento de 3,6% no país (43.256 e 44.812 respectivamente). Em 2013, a redução foi de 5,6%, o que significa salvar 2.554 vidas no trânsito.

Acompanhe mais dados:

Região Norte é a campeã na redução

Entre os Estados, Rondônia teve a queda mais expressiva: 19%. Também na região norte está o 2º Estado com a maior redução: Acre, com 18%. Paraná, Santa Catarina e Rio de Janeiro reduziram 12%. São Paulo registrou queda de 6%. Já entre os estados que tiveram aumento no número de mortes, o Mato Grosso lidera a lista com quase 5% a mais que o ano anterior. Veja a tabela abaixo.

Dados preliminares

Em relação aos dados preliminares de 2013, divulgados em outubro do ano passado, a queda de 9,73% na redução no total de mortes, em todo o Brasil, não se confirmou. Os dados finais indicam um número de mortes aproximadamente 4,5% superior aos dados preliminares, o que equivale a 1.815 mortes a mais.

Com isso, por exemplo, o Rio de Janeiro não teve uma redução de 44,5% nas mortes por acidentes de trânsito, como divulgado em novembro passado; mas, sim, uma redução de 12,04%, o que significa uma das melhores do país para o ano de 2013. Já a Bahia, tinha uma redução de 15%, pelos dados preliminares. Com os dados consolidados agora, essa queda foi de 6%.

Por meio dessas análises, o Observatório procura promover subsídios para o desenvolvimento de políticas públicas e ações em prol da segurança viária para toda sociedade.

*Em Assembleia Geral, realizada no dia 2 de março de 2010, a Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou o período de 2011 a 2020 como a Década Mundial de Ações para Segurança no Trânsito. A iniciativa visa estimular esforços para conter e reverter a tendência crescente de fatalidades e ferimentos graves em acidentes no trânsito em todo o mundo. Leia, na íntegra, a Resolução A/64/L44 da ONU, em 2 de março de 2010: http://bit.ly/UvKfAA. Todos os dias, cerca de 3,5 mil morrem vítimas de acidentes de trânsito no mundo e outros milhares ficam feridos para sempre, a maioria é jovem e está nos países em desenvolvimento.

Fonte: Portal ONSV

Para saber mais, consulte também: www.onsv.org.br/portaldados

News

Lançado o Retrato da Segurança Viária no Brasil

Imagem1Retrato da Segurança Viária no Brasil, lançado em janeiro de 2015 pelo Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV),  traz informações importantes e atualizadas sobre a segurança viária no país. O documento mostra estudo detalhado, apontando estatísticas sobre óbitos, feridos, frota brasileira, legislação, etc.

A “Década de Ação pela Segurança no Trânsito”,(2011 a 2020), definida pela ONU, tem como meta global salvar 5 milhões de vidas no período, o que significa uma redução em torno de 33% no número de óbitos, tendo como referência os índices de 2011. Para alcançar a meta, muitos esforços coletivos tem sido realizados, baseados nos Cinco Pilares de atuação para a Segurança Viária: Gestão da segurança viária, Vias mais seguras e Mobilidade, Veículos mais seguros, Conscientização de Usuários e Resposta ao Acidente.

Confira o documento completo, acessando no link abaixo:
Retrato da Segurança Viária no Brasil

 

 

 

 

News

Lançado o “Portal Estatísticas”, com dados atualizados de acidentes de trânsito do Brasil

Portal EstatisticasO Observatório Nacional de Segurança Viária, parceiro da SBAIT, lançou o Portal Estatísticas, com dados atualizados sobre os acidentes de trânsito do Brasil.

O Portal tem como finalidade oferecer ao público acesso mais fácil e dinâmico aos dados oficiais de mortalidade no trânsito do Brasil, favorecendo a visualização de aspectos estratégicos na análise desse grave problema nacional.

Um dos  principais objetivos do Portal é auxiliar o salvamento de vidas no trânsito brasileiro, através do oferecimento de dados abertos para o direcionamento de políticas e ações capazes de salvar essas vidas.

No Portal, além das Estatísticas, apresentadas por meio de mapasgráficos e tabelas também há acesso às tendências de mortalidade no trânsito para os próximos anos e também artigos com análises mais aprofundadas, como o Retrato da Segurança Viária no Brasil – 2014

Acesse o Portal Estatísticas: http://onsv.org.br/portaldados/#/

Fonte: Observatório Nacional de Segurança Viária

News

Mortes no trânsito tiveram a maior queda dos últimos 16 anos no Brasil

acidentesDe acordo com o Governo Federal, as mortes em acidentes de trânsito reduziram 10% em todo o país em 2013, o que representa a maior queda desde 1998, quando as mortes diminuíram 13%. Segundo os dados preliminares do Sistema Único de Saúde (SUS), 40,5 mil pessoas morreram em 2013, contra 44,8 mil em 2012.

A aplicação da Lei Seca de forma mais severa e o aumento do número de carros com airbag e freios ABS, são considerados como fatores que contribuíram para a queda nas estatísticas.

Para José Aurélio Ramalho, presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, a redução da velocidade do tráfego nas grandes cidades, causada pelo aumento da frota e dos congestionamentos ou, em menor grau, por ação do poder público também pode ser apontada como um dos fatores da queda. “O número de acidentes não está diminuindo. Mas, se a velocidade cai, há menos risco de morte”, afirma.

Apesar disso, na comparação com os países desenvolvidos, o índice ainda é considerado alto. O Brasil registra 20 mortes no trânsito a cada cem mil habitantes.

A redução do número de mortes no trânsito até 2020 faz parte das metas a serem alcançadas pelo Brasil ao assinar em 2011  a resolução da ONU, chamada de Década de Ação pelo Trânsito Seguro.

Saiba mais:

Número de mortes no trânsito têm maior queda no Brasil desde 1998 ( Folha de SP, 10/11/2014)

News

Em dois dias, trânsito mata no Brasil mais pessoas que uma tragédia aérea

ibitinga

Colisão entre um ônibus escolar e carreta em Ibitinga (SP) deixou 13 vítimas fatais entre estudantes, professores e diretora da escola, além de 24 feridos.

Na semana em que o Brasil deparou-se com mais uma tragédia no trânsito, dessa vez no interior de SP, onde uma colisão entre uma carreta e um ônibus que transportava estudantes e professores de uma escola, deixou 13 mortos e 24 feridos, a Folha de São Paulo divulga dados que apontam que no Brasil, o trânsito mata mais que uma tragédia aérea.

De acordo com os dados mais recentes do DataSUS, foram 44,8 mil vítimas em 2012, sendo que as principais vítimas foram motociclistas (28%) e pedestres (20%), totalizando uma média de 123 vítimas por dia, representando um aumento de 35% em dez anos, o maior desde 1979.

Em comparação, os números de dois dias seriam suficientes para superar a tragédia da TAM, que matou 199 pessoas em 2007.

Alguns fatores são apontados por especialistas para esse aumento, como o crescimento das estatísticas ao aumento da frota, que dobrou em dez anos, sem um reforço compatível na fiscalização, problemas de infraestrutura nas cidades e estradas e na formação dos condutores.

Leia a matéria na íntegra: 

Em dois dias, trânsito mata no Brasil mais pessoas que uma tragédia aérea- Portal Folha de São Paulo ( 29/10/2014)

News

Trânsito mata mais de 5 pessoas por hora no Brasil

trânsitoDados atualizados do Ministério da Saúde mostram que a cada hora o trânsito mata mais de cinco pessoas no País: 46 mil só em 2012. O número revela aumento de 3,4% no total de óbitos nas ruas e estradas do País em relação ao ano anterior.

Revela ainda que em dez anos o número de mortes no trânsito brasileiro avançou 38%: em 2002, ele havia matado 33 mil pessoas.

As estatísticas são as mais recentes do Datasus, sistema que contabiliza os atendimentos médicos feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o País.

Os números mostram aceleração no crescimento do número de mortes no trânsito. Entre 2010 e 2011, o total de mortes havia crescido 1,47%.

Entretanto, o levantamento revela que o problema não é uma epidemia nacional, mas sim fruto de um crescimento acelerado do número de mortes na Região Nordeste do País.

Das 1.498 mortes registradas a mais em 2012 do que em 2011, 1.105 foram nos nove Estados do Nordeste. Essa região concentra apenas 15% dos 76 milhões de veículos existentes no País, conforme os dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), mas responde atualmente por 28% das mortes registradas em acidentes de transporte.

A Região Norte enfrenta situação semelhante. Lá, o crescimento do número de vítimas em acidentes fatais foi de 7,2% de um ano para outro. O grande vilão do quadro são as motocicletas.

Embora concentre a maior parte dos acidentes – naturalmente porque abriga a maior parte da população e da frota de veículos do Brasil – a Região Sudeste obteve uma redução do número de mortes: de 16.466 casos em 2011 para 16.253 em 2012 (1,20%).

É a retomada de uma tendência de queda de mortes observada entre os anos de 2005 e 2007, segundo as estatísticas do SUS.

Em novembro de 2011, uma reportagem do Estado mostrou que, no Norte e Nordeste, regiões que se destacavam como líderes nas mortes do trânsito, as motos já eram usadas até para tocar a boiada em fazendas de áreas rurais. A falta de fiscalização e de formação eram apontadas como os principais problemas.

Atropelamentos

Os dados do Datasus mostram que o número de pessoas atropeladas por carros, motos, ônibus e caminhões no País está em queda. Nos dados fechados de 2012, 8,8 mil pessoas morreram atropeladas no País. Em 2011, haviam sido 9,4 mil mortes. Nos últimos dez anos, a redução foi de mais de mil mortes.

Saiba mais:

Trânsito mata mais de 5 pessoas por hora no Brasil (Portal Uol Notícias, 19/07/14)

Fechar