Categoria

Estatisticas

Estatisticas, Prevenção

Lançado em Brasília/DF o Relatório do “Desempenho Brasileiro na Década de Ação pela Segurança no Trânsito”

Foi lançado  no dia 18 de setembro, em Brasília/DF, o  Relatório do “Desempenho Brasileiro na Década de Ação pela Segurança no Trânsito – Análise, perspectivas e indicadores 2011- 2020”.  A apresentação ocorreu durante a cerimônia de abertura da Semana Nacional de Trânsito 2020.

A projeção estipulada em 2010, caso nenhuma medida fosse tomada para a redução de mortes no trânsito era de 62.445 mortes em 2020. Segundo dados do Observatório Nacional de Segurança Viária ( ONSV), , a previsão atualizada é de 31.223 mortes neste ano. Porém, o relatório “Balanço da Década de Ação pela Segurança no Trânsito”, considera como fator decisivo neste caso a crise econômica e a pandemia que reduziram o crescimento da frota de veículos e a circulação das pessoas, não a conscientização da população.

Com esse estudo, é possível analisar pontos de avanço  e pontos que precisam ser melhorados, que subsidiarão o planejamento das próxímas ações de prevenção para 2020 – 2030.

O livro: “Análise do Desempenho do Brasil na Década de Ação pela Segurança no Trânsito – 2011/2020”, escrito pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, em parceria com a UFPR (Universidade Federal do Paraná), traz os seguintes pontos principais:

  1. Deixar de usar o termo acidente de trânsito e passar a usar sinistro de trânsito;
  2. Projeções superestimadas de mortes para 2020 e frustração do crescimento econômico;
  3. Relação entre condutores habilitados para conduzir motos e a frota de motos ;
  4. Limites de velocidades elevados em vias urbanas no Brasil se comparado aos padrões recomendados pela OMS ;
  5. Relação entre o nível de mortalidade no trânsito e o nível de renda .

Segundo explica Tiago Bastos, prof. Dr. da UFPR (Universidade Federal do Paraná), a Década de Ação pela Segurança Viária foi um período de comprometimento entre vários países em empreender ações em prol da segurança viária e com a continuidade dessas ações até 2030, será possível fazer um diagnóstico para entender o que aconteceu ao longo da década.

Para saber em detalhes e consultar o documento, acesse o site do Observatório Nacional de Segurança Viária:

http://www.onsv.org.br/desempenho-brasileiro-da-decada-de-acao-pela-seguranca-no-transito-analise-perspectivas-e-indicadores-2011-2020/

 

Estatisticas

Mortes de crianças e adolescentes de até 14 anos caem 1,93% no país

De 2016 a 2017, o número de mortes por acidentes de crianças e adolescentes de até 14 anos caiu 1,93% no Brasil,  de acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde. Essa foi a menor queda na mortalidade na infância e adolescência por acidentes observada desde 2011. 

Segundo o estudo, um dos motivos que fizeram a redução da quantidade geral de óbitos acidentais das crianças e adolescentes brasileiros ser pequena é que alguns tipos de acidentes apresentaram aumento significativo no número de casos fatais de 2016 para 2017, como os relacionados a:

  • disparo acidental de armas de fogo (+ 95%)
  • afogamentos (+4,49%)
  • queimaduras (+3,83%)
  • intoxicação (+6,76).

Por outro lado, houve redução nos casos de mortes acidentais de meninas e meninos até 14 anos no trânsito (-7,89%), sufocação (-5,93%) e quedas (-1,09%).

De modo geral, os acidentes que mais tiram vida de crianças e adolescentes no país são, respectivamente:

  • trânsito (1.190)
  • afogamento (954)
  • sufocação (777).

Em relação a faixas etárias específicas:

  • a sufocação é a principal causa de morte acidental de bebês de até um ano de idade
  • o afogamento é o acidente que mais tira vida de meninas e meninos de um a quatro anos
  • o trânsito é a causa mais fatal para as crianças e adolescentes de cinco a 14 anos.

Confira informações detalhadas no portal Criança Segura:

Mortes de crianças e adolescentes de até 14 anos caem 1,93% no país

Fechar