Inicialmente, dados eram apenas para tranquilizar a família, mas resultado foi tão positivo que ficou disponível para toda a população

O cirurgião do trauma e diretor da SBAIT (Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado) André Gusmão, de Salvador, criou um boletim epidemiológico sobre coronavírus, focado na capital baiana, mas com informações da situação mundial, do país e da Bahia, além de notícias, dicas e orientações sobre a pandemia. Com 11 páginas, o boletim, que é diário e já chegou à sua 100ª edição, pode ser acessado no site www.boletimcovid19.webnode.com.

Gusmão conta que a ideia do boletim surgiu no início da pandemia, quando ele viu que seus familiares e amigos estavam muito apreensivos com a situação e, portanto, em sua opinião, precisavam de informações mais concretas e contextualizadas sobre o problema. Ele sentiu essa mesma necessidade no ambiente de trabalho e decidiu compilar os dados oficiais em um único local. “O trabalho foi crescendo e as pessoas começaram a me pedir o boletim diariamente. Eu fui recebendo muitas sugestões até chegar no formato atual”, conta o cirurgião. “E percebemos que essas informações começaram a deixar as pessoas mais tranquilas”, observa.

Inicialmente, o boletim era repassado aos parentes e amigos mais próximos, além dos moradores do seu condomínio e de algumas pessoas no trabalho. Depois, foi crescendo, ganhou espaço no site e começou a ser compartilhado em muitos grupos de WhatsApp. Para a realização deste trabalho, ele também conta com a colaboração com a ajuda da infectologista Andréa Gusmão Cunha, do cirurgião Ricardo Cima, que elabora os gráficos do boletim, e do estudante de medicina João Henrique Fonseca do Nascimento, que criou o site ontem são publicados os dados.

O boletim só utiliza dados oficiais e disponibiliza todas as suas fontes para que as pessoas possam acessá-las. Ele conta com informações sobre total de casos de infectados, novos casos diários, total de óbitos e novos óbitos diários, em Salvador, Bahia, Brasil e mundo. Também há informações de várias capitais para que possa ser feito um comparativo da situação na Bahia.

Além disso, ele também disponibiliza informações sobre recuperados e sobre ocupação de leitos do SUS (Sistema Único de Saúde) na Bahia. O boletim ganhou, ainda, um espaço com as principais notícias a respeito do tema e até uma lista com os laboratórios que realizam a coleta do exame de COVID-19 de forma domiciliar, em Salvador e em Feira de Santana.

O boletim elaborado por Gusmão também disponibiliza, entre outras informações, o número do Disque-coronavírus, regras de etiquetas respiratória, cuidados com idosos, isolamento domiciliar e o que a pessoa deve fazer quando apresenta sintomas da doença. “Eu sempre busco informações oficiais para não ter interpretações diferentes. Disponibilizamos muitos gráficos, que nos ajudam a ter uma boa ideia da situação atual, apesar de a incidência no Brasil não ser fidedigna porque isso depende de testagem, e a nossa é muito baixa”, explica. Por este motivo, ele preferir analisar a pandemia através dos óbitos registrados.

Na sua avaliação, o País está entrando em um platô. “Esse platô não significa um pico, como já aconteceu em outros países. E a tendência é que platô demore mais tempo para acabar”, comenta.

Informações à Imprensa:
Capovilla Comunicação
Patrícia Capovilla
(19) 99284-1970