Objetivo é conscientizar sobre a importância do dispositivo, principalmente, no banco traseiro

A SBAIT está promovendo uma campanha para incentivar o uso de cinto de segurança em veículos, principalmente no banco traseiro. A entidade aproveitou o Dia das Crianças, que também é feriado de Nossa Senhora Aparecida, para fazer um alerta aos pais sobre este assunto, já que muita gente usa a data para viajar. Com o tema “O melhor presente para seu filho é ter você com ele”, a campanha pretende sensibilizar os pais para a prevenção no trânsito.

“Praticamente todas as ocorrências de trânsito podem ser evitadas com prevenção: respeito à velocidade máxima da via, manutenção do veículo, não dirigir após consumir bebida alcoólica, não usar o celular enquanto dirige… São cuidados simples, que as pessoas conhecem, e que podem reduzir drasticamente o número de mortos e feridos no trânsito. Paralelamente a tudo isso, é imprescindível usar o cinto de segurança, tanto no banco da frente quanto no traseiro. E isso vale par

a adultos e crianças, que, além do cinto, precisam estar com dispositivos de segurança”, alerta o presidente da SBAIT, José Mauro da Silva Rodrigues.

No caso das crianças, o Código de Trânsito Brasileira divide em três tipos os dispositivos de segurança. A indicação de cada um varia de acordo com peso e idade. O bebê-conforto é indicado para bebês com até 1 ano de idade ou 10 quilos. Ele precisa ser colocado no banco traseiro, com a criança virada de costas para a frente do veículo. A cadeirinha deve ser utilizada por crianças com idade entre 1 e 4 anos. Diferentemente do bebê-conforto, a criança fica sentada virada para a frente do carro. Após os quatro anos, a criança pode usar o assento de elevação, que tem como principal objetivo deixá-la mais alta para que o cinto de segurança não fique próximo ao pescoço. Toda criança deve ser transportada no banco traseiro até os 10 anos de idade.

“Com esta campanha para o Dia das Crianças, queremos sensibilizar os adultos para que eles se conscientizem de que uma pequena imprudência pode mudar suas vidas para sempre. Pode destruir a família. Infelizmente, muitas pessoas entendem isso tarde demais. É impactante o número de pessoas mortas e que ficam sequeladas no trânsito brasileiro. Nós, que trabalhamos no atendimento a vítimas de traumas, lidamos com isso diariamente e conhecemos muito bem as consequências. Todos precisam fazer sua parte”, reforça o presidente da SBAIT.

Para Rodrigues, a conscientização é uma das principais ferramentas para mudar a atual realidade em nosso país. “As pessoas ainda negligenciam

o uso do cinto de segurança, principalmente no banco traseiro. O passageiro que está no banco traseiro, além de risco de se ferir gravemente ou até morrer, no caso de uma ocorrência de trânsito, também pode ferir e matar o passageiro que está à sua frente, com o peso do seu corpo”, destaca Rodrigues.

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal, no ano passado, em todo o Brasil, foram aplicadas 69.443 multas por falta de cinto de segurança em passageiros e 143.913 multas porque o condutor do veículo estava sem o cinto. No mesmo ano, foram registradas 89.318 ocorrências de trânsito nas rodovias federais, com 6.244 morte e 83.978 feridos.

 

Sobre a SBAIT
A SBAIT reúne cirurgiões do trauma de todas as regiões do País. Tem vários programas de prevenção ao Trauma, doença que se tornou uma epidemia no Brasil, mas que poderia ser evitada, apenas com ações de prevenção. Trauma é todo ferimento causado por fatores externos, como queda, ocorrência de trânsito, ferimentos a bala, etc.

Informações à Imprensa:
Capovilla Comunicação
Patrícia Capovilla
(19) 99284-1970