trauma do idoso

imagem: http://www.saude.rj.gov.br/

A Fratura de fêmur proximal é a mais comum e letal de trauma entre pessoas com mais de 60 anos. Pesquisas internacionais indicam que a partir dos 50 anos o risco de fratura dobra a cada cinco anos; 50% das mulheres sofrerão fratura de quadril aos 90 anos de idade. Sem intervenção cirúrgica em até 48h, 50% dos pacientes idosos vítimas de trauma precisam usar muletas e 23% morrem em até 12 meses.

Os casos ortopédicos mais frequentes nas grandes emergências  são causados geralmente por quedas em casa ou na rua. Devido a alta demanda de cirurgias de emergência nas unidades de saúde, em especial politraumatizados, muitas vezes os idosos ficam internados por longos períodos, aguardando por cirurgia.

O  Centro Estadual de Trauma do Idoso (CETI), localizado no Rio de Janeiro, cidade que possui a segunda população mais idosa do país, com 13% de idosos, é um dos exemplos de atendimento a esse público específico. Em 2013, realizou mais de 100 cirurgias ortopédicas por mês, 1.292 cirurgias e 2.535 consultas.

Inaugurado em outubro de 2012 no Hospital São Francisco de Assis (HSFA), o CETI  conta com 30 leitos de enfermaria, cinco de CTI e ambulâncias exclusivas para fazer a remoção rápida entre hospitais, com o objetivo de garantir um atendimento exclusivo, a fim de diminuir sequelas e permitir uma recuperação mais rápida. As cirurgias são realizadas em até 48 horas e o tempo médio de internação é de quatro dias.

Saiba mais:

Balanço 2013: Centro Estadual de Trauma do Idoso realiza mais de 1200 cirurgias